Agência Minera Brasil
31/01/2024 10:42

Estudo com diamantes revela novos insights sobre a formação do Gondwana





A pesquisa publicada na Nature contou com a participação de dois pesquisadores do Serviço Geológico do Brasil, Izaac Cabral Neto e Francisco Valdir Silveira. O estudo utilizou diamantes formados entre 300 e 700 km de profundidade para investigar a evolução do supercontinente.



Lorena Amaro


O estudo liderado pela Dra. Suzette Timmerman, da Universidade de Berna, na Suíça, teve a participação de pesquisadores do Serviço Geológico do Brasil (SGB), revelou novos insights sobre a formação do supercontinente Gondwana, utilizando diamantes formados em profundezas extremas da Terra.

Os supercontinentes, que surgem e se separam ao longo da história geológica, são fundamentais para entender os processos tectônicos do planeta. No entanto, estudar esses fenômenos diretamente tem sido desafiador devido à falta de acesso a material geológico das profundezas da Terra.
Além de pesquisadores brasileiros, a equipe internacional, incluiu especialistas da Universidade de Alberta, da Instituição Carnegie de Ciência, da Universidade Livre de Amsterdã, da Universidade de Bristol e da Universidade de Pádua.

Diamantes contam a história do Planeta

O estudo utilizou diamantes formados a 300-700 km de profundidade para investigar a evolução do Gondwana. Análises geoquímicas e datação das inclusões minerais nos diamantes revelaram que estes se formaram sob o Gondwana quando o supercontinente cobria o Polo Sul, entre 650-450 milhões de anos atrás.
À medida que o Gondwana começou a se fragmentar, cerca de 120 milhões de anos atrás, os diamantes, junto com as inclusões minerais, foram trazidos à superfície da Terra em erupções vulcânicas violentas.
Curiosamente, as localizações atuais dessas erupções estão nos fragmentos continentais do Brasil e da África Ocidental, partes essenciais do antigo Gondwana. Isso sugere que os diamantes viajaram junto com diferentes partes do supercontinente à medida que ele se dispersava, mantendo-se "colados" à sua base.
A pesquisa revela não apenas novos insights sobre a formação do Gondwana, mas também os estágios posteriores de sua evolução. Os diamantes fornecem evidências de um processo de acreção de material jovem às raízes dos continentes, indicando um novo modo potencial de crescimento continental.
Essa descoberta representa um avanço significativo no entendimento dos processos geológicos profundos que moldam nosso planeta e destaca a importância dos diamantes como janelas para o passado distante da Terra.



A OESP não é(são) responsável(is) por erros, incorreções, atrasos ou quaisquer decisões tomadas por seus clientes com base nos Conteúdos ora disponibilizados, bem como tais Conteúdos não representam a opinião da OESP e são de inteira responsabilidade da WP Comunicação LTDA
Para ver esta notícia sem o delay contrate um dos produtos Broadcast e veja todos os conteúdos em tempo real.

Copyright © 2024 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso