Agronegócios
23/06/2022 08:23

Suínos/Cepea: relação de troca para produtor tem melhora pelo quarto mês consecutivo


São Paulo, 23/06/2022 - A média de preços do suíno vivo na parcial de junho, até o dia 21, foi inferior a maio mas, apesar disso, este é o quarto mês consecutivo em que o setor observa melhora na relação de troca, por causa da desvalorização dos principais insumos da suinocultura (milho e farelo de soja). A informação consta em relatório do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/Esalq/USP).

De acordo o Cepea, na média parcial de junho, o suíno vivo é negociado em média por R$ 6,20/kg na região de SP-5 (Bragança Paulista, Campinas, Piracicaba, São Paulo e Sorocaba), um recuo de 0,2% em relação à de maio. Com relação ao milho, a Equipe Grãos do Cepea indica que a produção nacional da segunda safra foi iniciada em importantes regiões produtoras, como Mato Grosso e Paraná, mas demandantes vêm aguardando melhores oportunidades com o avanço das atividades. Esse contexto, segundo a análise, tem limitado a liquidez.

Com isso, a saca de 60 kg é negociada na parcial de junho na média de R$ 85,92, recuo de 1,6% em relação a maio e queda de expressivos 13,3% na comparação com igual período do ano passado. Dessa forma, para o suinocultor paulista, é possível a compra 4,3 quilos de milho com a venda de um quilo de suíno, 1,4% a mais que em maio.

Quanto ao farelo de soja, ainda conforme a Equipe Grãos/Cepea, os preços também caíram em relação à média de maio, apesar da demanda de avicultores e suinocultores por farelo de soja aquecida nos últimos dias, o que, inclusive, elevou os preços do produto no Brasil, na parcial do mês. Na região de Campinas (SP), a tonelada é negociada à média de R$ 2.415,98 nesta parcial de junho, queda de 1,3% frente a maio. Assim, o produtor consegue comprar neste mês 2,56 quilos do derivado, avanço de 1,2% frente ao volume de maio.
Para ver esta notícia sem o delay assine o Broadcast Agro e veja todos os conteúdos em tempo real.

Copyright © 2022 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso
Siga nossas redes: