Agronegócios
01/12/2020 11:48

CNA/Lucchi: PIB Agro em 2021 deve crescer 3%, a R$ 1,8 tri; VBP deve avançar 4,2%, a R$ 941 bi


Por Augusto Decker

São Paulo, 01/12/2020 - O PIB do agronegócio brasileiro deve continuar crescendo em 2021, embora em menor ritmo do que em 2020, segundo projeção da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), apresentada pelo seu superintendente Técnico, Bruno Lucchi. A estimativa para o próximo ano é de aumento de 3% no PIB do setor, para R$ 1,8 trilhão; já para 2020, a entidade projeta avanço de 9%, para R$ 1,75 trilhão. O Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) deve avançar expressivos 17,4% em 2020, para R$ 903 bilhões. No ano que vem, o crescimento do VBP deve ser de 4,2%, para R$ 941 bilhões. A entidade divulgou seu balanço para o ano de 2020 e suas perspectivas para 2021 em apresentação virtual esta manhã.

De acordo com a CNA, o setor agropecuário ajudou o País durante a pandemia e deve seguir fazendo o mesmo no ano que vem. "Foi uma estratégia de guerra que nós adotamos, e que, de certa forma, teve êxito" afirmou Lucchi. "Muitos produtores se prejudicaram, mas acreditamos que saldo final seja positivo." Entre janeiro e outubro, o setor criou 102.911 empregos formais. Nos dez primeiros meses deste ano, o País exportou US$ 85,8 bilhões, o que representa um avanço anual de 5,7% em valor e de 12,4% em volume.

Para o ano que vem, Lucchi diz que o País deve manter uma safra recorde, mas que o clima deve influenciar a produção brasileira. "O La Niña já atrasou a safra de soja, vai atrasar a safrinha de milho. A safra verão de milho também já foi afetada", disse. "Não deixaremos de ter safra recorde, mas a safra poderia ser maior se não fosse a questão climática." O milho, de acordo com Lucchi, é uma preocupação. "A nossa produção deve estar bem ajustada ao consumo doméstico e a China vai voltar a comprar muito. Nós não vendemos diretamente para a China, mas a China compra de outros países e esses outros países podem vir comprar do Brasil."

Em relação à recuperação econômica para 2021, a entidade se opôs a algumas medidas, como uma proposta de reforma tributária que dificultaria em vez de simplificar. "O Brasil não suporta mais carga tributária", disse o presidente da entidade, João Martins. Lucchi completou: "Queremos sim uma reforma tributária, mas uma que simplifique, e não que onere." Ele afirmou ainda que uma eventual oneração da cesta básica seria negativa. "O grosso do consumo é da classe média, e a classe média reduz ou substitui alimentos se o preço sobe", disse.

Contato: augusto.decker@estadao.com
Para ver esta notícia sem o delay assine o Broadcast Agro e veja todos os conteúdos em tempo real.

Copyright © 2021 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso
Inscreva-se!
Receba no seu email newsletters e informações sobre nossos produtos