Agronegócios
04/12/2020 10:59

Café: CNC defende ações para setor apenas após avaliações quantitativas de perdas provocadas pelo clima


São Paulo, 04/12/2020 - O Conselho Nacional do Café (CNC), entidade que congrega as principais cooperativas de produção e de crédito voltadas à cafeicultura no País, definiu posicionamento em relação à severa estiagem e às altas temperaturas que atingiram o cinturão produtor do Brasil, principalmente em agosto e setembro, que deverão ocasionar perdas significativas na safra 2021 e ter possíveis reflexos na colheita de 2022. O CNC defende que medidas sejam tomadas apenas a partir de janeiro, após divulgação de estimativa da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

O presidente do CNC, Silas Brasileiro, informou em comunicado que "qualquer medida ou proposta de projeto que surja, atualmente, não terá uma fundamentação técnica adequada. Há necessidade de observarmos o comportamento do clima até o começo de 2021, pois ele sinalizará se ocorrerão mais perdas ou a mitigação de prejuízos. Além disso, é sensato aguardar o primeiro levantamento da Conab (em 21 de janeiro), que, junto com a apuração de nossas cooperativas, apresentará avaliação quantitativa das perdas futuras, servindo de base para o desenho de quaisquer políticas necessárias para a proteção da renda dos cafeicultores".

"Diante do monitoramento que o nosso cooperativismo de produção e de crédito vem analisando no campo, nesse segundo semestre, apresentamos ao governo federal que o cenário climático provocará impacto no desenvolvimento das safras brasileiras de café em 2021 e 2022. Isso porque, além da redução normal na produtividade, no ano que vem, em virtude do ciclo de baixa da bienalidade do arábica, o calor e a seca também vão gerar perdas por causa do abortamento de gemas florais e da redução do potencial produtivo das lavouras novas", explicou Silas Brasileiro.

Na quarta-feira (2), o CNC entregou seu posicionamento à ministra da Agricultura, Tereza Cristina, ao secretário de Política Agrícola e ao diretor do Departamento de Abastecimento e Comercialização do ministério, César Halum e Silvio Farnese, respectivamente. De acordo com o CNC, o governo foi informado que o setor já iniciou discussões para desenhar cenários e estar preparado para apresentar e debater propostas eficazes para a proteção da renda dos cafeicultores.
Para ver esta notícia sem o delay assine o Broadcast Agro e veja todos os conteúdos em tempo real.

Copyright © 2021 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso
Inscreva-se!
Receba no seu email newsletters e informações sobre nossos produtos