Agronegócios
14/07/2017 15:08

BNDES/Rabello: aparelho do Estado está constrangido por um teto de gastos


Rio, 14/07/2017 - Envolvido em uma polêmica com a equipe econômica do governo após criticar a nova taxa de juros proposta para o Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES), a Taxa de Longo Prazo (TLP), o presidente do banco de fomento Paulo Rabello de Castro conclamou o empresariado a tomar a dianteira da retomada do crescimento uma vez que "o aparelho do Estado está constrangido por um teto de gastos".

"O empresário não pode esperar a máquina pública destravar. Tem que arrombar a porta da máquina pública. Não podemos esperar que o setor público venha resgatar o setor privado. O aparelho do Estado está constrangido por um teto de gastos. Não nos iludamos: a viúva está pobre, a festa acabou", disse Rabello em debate na cerimônia de posse dos conselheiros da Associação Comercial do Rio.

Rabello disse que acredita no crescimento porque o Brasil não tem mais os problemas dos anos 70, tem reservas internacionais de US$ 370 bilhões e, assim, descolou a economia da política. "Não temos o direito de achar que nós não vamos mais resgatar o crescimento", disse.

Afeito a frases de efeito, o presidente do banco disse que se sente no BNDES um "banqueiro por um dia" e um "presidente diarista". "Em um dia limpo a mesa e no dia seguinte não tem nada no Diário Oficial, então continuo no banco", brincou. Na semana passada dois diretores do banco pediram demissão em reação às críticas de Rabello à TLP, aprovada na gestão de Maria Silvia Bastos Marques.

O economista saiu em defesa do BNDES, afirmando que o banco é articulador e fomentador do crédito de forma que seja concedido sem ágio. Segundo ele, as prioridades são a inovação e buscar a interiorização vertical do desenvolvimento. A ideia é redescobrir o que chamou de empresário anônimo, pequenos e médios do interior, a quem o banco sim privilegiará com seus subsídios. Segundo ele o papel do BNDES é importante porque os bancos privados não sabem mais emprestar, já que estão rolando a dívida interna. "Mas o Brasil não come juros, come alimentos, serviços", disse.

Rabello também afirmou que o BNDES é um banco ético e limpo. "Tem gente que trabalha direito e o Tribunal de Contas da União (TCU) não precisa ficar no pé", afirmou. O TCU fará uma auditoria para analisar possíveis irregularidades em empréstimos do banco. "Brasil não precisa de babá, muito menos vestida de preto, para poder trabalhar bem", afirmou. (Mariana Durão - mariana.durao@estadao.com)
Para ver esta notícia sem o delay assine o Broadcast Agro e veja todos os conteúdos em tempo real.

Copyright © 2017 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso
Inscreva-se!
Receba no seu email newsletters e informações sobre nossos produtos