Economia & Mercados
23/08/2019 15:14

Caixa/Guimarães: estamos avaliando mudança para taxa pré-fixada no financiamento imobiliário


Rio, 23/08/2019 - O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, afirmou que após lançar esta semana uma linha de financiamento imobiliário atrelada ao IPCA, índice oficial de inflação, o banco está avaliando excluir todo tipo de indexador e adotar taxa pré-fixada para o financiamento da casa própria. A mudança deve ocorrer até o fim do governo, mas estaria atrelada ao desenvolvimento do mercado de securitização de créditos imobiliários e da manutenção de um quadro de inflação controlada por longo prazo.

“Da mesma maneira que a gente está oferecendo TR (Taxa Referencial) e IPCA, o objetivo é, se couber na matemática da Caixa, até o final do governo, daqui a três anos e meio, oferecer uma taxa sem correção nenhuma”, disse após palestra na Associação Comercial do Rio de Janeiro.

Segundo Guimarães, a vantagem de adotar uma taxa pré-fixada é tirar o componente de incerteza do financiamento, por se tratar de um valor fixo. A criação de linhas indexadas ao IPCA é o primeiro passo para viabilizar o plano, diz, por ser a base para o desenvolvimento do mercado de securitização de longo prazo, em que a instituição empacota os créditos e vende a investidores.

“Quero criar um mercado de dez anos. A vida média da nossa carteira de crédito imobiliário é de 12 anos, então não adianta tanto criar mercado de securitização de dois anos. Quando você cria um mercado de securitização de 12 anos fica muito mais fácil ir para o último passo, que é fazer sem securitização”, explicou.

O executivo voltou a dizer que a Caixa pretende vender 50% de todo o crédito que for originado anualmente com as linhas corrigidas pelo IPCA. Dessa forma, o banco terceiriza o risco dos financiamentos. O executivo afirmou que nos últimos dois dias o banco já recebeu mais de 500 mil consultas de clientes interessados na nova modalidade. Depois, em entrevista, disse que o número na verdade já chega a 600 mil.

Guimarães disse que considera uma inflação de 3% ao ano a 4% ao ano possível de precificar. O importante em sua análise é que haja um quadro de estabilidade contínua, ainda que com um ano ou outro de inflação mais alta. Isso porque no caso dos financiamentos com taxa pré-fixada, o risco fica com o banco, que terá que adotar também instrumentos de hedge.

Contato: mariana.durao@estadao.com
Para ver esta notícia sem o delay assine o Broadcast+ e veja todos os conteúdos em tempo real.

Copyright © 2019 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso
Inscreva-se!
Receba no seu email newsletters e informações sobre nossos produtos