Economia & Mercados
06/12/2017 17:38

Tenda trabalha com meta de expandir lançamentos em 10% a 15% nos próximos anos


Mesmo diante de um cenário marcado por incertezas em relação à disponibilidade de recursos para financiar a compra e a construção de imóveis, a Tenda prevê um ritmo de crescimento de 10% a 15% no volume anual de lançamentos nos próximos anos, de acordo com projeção citada nesta quarta-feira, 6, pelo diretor presidente da companhia, Rodrigo Osmo. Em 2017, os novos projetos da incorporadora deverão totalizar R$ 1,6 bilhão em valor geral de vendas (VGV).

"Eu estou otimista", disse o executivo em conversa com jornalistas.

Segundo Osmo, a demanda por moradias populares continua aquecida, decorrente do crescimento demográfico e do persistente déficit habitacional no País. Além disso, boa parte dos clientes nesse segmento troca o pagamento de aluguel em moradias de baixa qualidade por um financiamento com valor semelhante por um imóvel novo, de maior qualidade. "É uma conta racional", explicou, afastando os impactos da crise econômica nacional.

Neste momento, a direção analisa duas novas regiões metropolitanas e pretende iniciar as atividades em ao menos uma delas em 2018. A Tenda já está presente em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Salvador e Recife, além de Curitiba, onde lançou um empreendimento recentemente. Por conta disso, a companhia prevê um crescimento de 25% dos desembolsos com a compra de terrenos no ano que vem.

Apesar do otimismo com o nível de demanda do mercado, Osmo disse que são preocupantes os gargalos para concessão de financiamento na Caixa Econômica Federal - que procura alternativas para adequar sua estrutura de capital às novas regras do Acordo de Basileia - e do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), que tem liquidez decrescente. Na prática, esses gargalos poderão diminuir a velocidade de vendas de imóveis e, principalmente, gerar uma restrição mais forte do crédito destinado ao financiamento de empresas à produção nos próximos meses.

"A estratégia da companhia prevê uma estrutura de capital que comporte as operações mesmo sem crédito à pessoa jurídica", frisou Osmo, explicando que a companhia buscará aproximadamente R$ 200 milhões junto a fontes do mercado para capital de giro.

Osmo previu ainda um esvaziamento gradual dos projetos na faixa 1,5 do Minha Casa Minha Vida, que conta com uma parcela de subsídios do FGTS. Com isso, a meta de expansão dos lançamentos em 2018 já considera unicamente as operações dentro da faixa 2 do programa habitacional, que não recebe subsídios diretos do fundo.

O diretor presidente da Tenda explicou ainda que o lucro obtido pela Caixa com o repasse de clientes na faixa 2 é suficiente para conservar a estrutura de capital do banco e o atendimento das regras do Acordo de Basileia. "Mas se a Caixa não tiver sustentabilidade de longo prazo, ela é um fator de risco. Isso nos preocupa."

Banco de terrenos
A Tenda conseguiu recompor o banco de terrenos para atender sua meta de expansão dos lançamentos ao longo dos próximos anos, afirmou Osmo. "Há um ano, um dos maiores riscos operacionais era o descasamento no landbank (banco de terrenos). Conseguimos equacionar essa questão", afirmou o executivo, durante reunião pública com investidores, analistas e jornalistas.

De acordo com o balanço mais recente, o banco de terrenos da companhia chegou ao fim do terceiro trimestre com áreas capazes de suportar R$ 6,3 bilhões em lançamentos, 50,7% mais do que um ano antes. Esse estoque de terras é capaz de atender 100% dos projetos com previsão de lançamento em 2018, 70% em 2019, 42% em 2020 e 18% em 2021.

Osmo reiterou os planos de expansão dos lançamentos, embora sem detalhar uma meta, e acrescentou que a companhia tem uma das maiores velocidades de venda no mercado imobiliário. O bom desempenho nas vendas, segundo ele, se deve à atuação concentrada na faixa 2 do Minha Casa Minha Vida, com foco nas seis maiores regiões metropolitanas do País, segmentos onde a demanda está mais aquecida.

O executivo ainda minimizou o efeito dos distratos sobre a companhia, que só concretiza a venda após a liberação de crédito dos bancos aos consumidores. "O nível atual não preocupa. Nosso distrato acontece geralmente 2 a 3 meses após a venda, numa faixa praticamente constante de 10% a 15% dos negócios. Há bastante tempo para uma eventual revenda antes da entrega da obra", explicou.
Para ver esta notícia sem o delay assine o Broadcast+ e veja todos os conteúdos em tempo real.

Copyright © 2017 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso
Inscreva-se!
Receba no seu email newsletters e informações sobre nossos produtos