Economia & Mercados
12/02/2018 10:24

Barclays é acusado novamente por levantamento emergencial de capital em 2008


O Barclays foi acusado por uma segunda vez pelas autoridades do Reino Unido em um caso criminal relacionado ao levantamento emergencial de fundos em 2008 de investidores do Oriente Médio. O Serious Fraud Office apresentou nesta segunda-feira acusações por assistência financeira ilegal contra o banco.

No verão local passado, autoridades britânicas acusaram o Barclays por um empréstimo de US$ 3 bilhões feito para investidores do Oriente Médio no momento em que o banco lutava com a crise financeira, em 2008. Os promotores britânicos haviam dito que os fundos foram então devolvidos ao Barclays para recapitalizá-lo. O banco anteriormente havia negado as acusações.

As acusações iniciais haviam sido feitas contra a holding do banco. A nova acusação é significativa, já que a companhia operacional, Barclays Bank PLC, é que detém as licenças do banco. Os reguladores precisam confirmar que a subsidiária está em condição "adequada" para manter as licenças. Caso condenado, o Barclays poderia, em tese, perder suas licenças bancárias.

Em comunicado, o banco disse que se defenderá e que não espera qualquer impacto em sua "capacidade de servir" aos clientes. Ele não informou se admitirá ou não a culpa.

O negócio estruturado pelos executivos do Barclays permitiu que o banco evitasse receber ajuda dos contribuintes britânicos. Mas as autoridades têm investigado há anos a atuação de investidores do Catar para colocar fundos no banco. Em particular, por causa de um pagamento do Barclays de 322 milhões de libras em "serviços de assessoria" aos investidores do Catar. Promotores britânicos já acusaram o ex-diretor-executivo do Barclays e mais três executivos de fraude e pagamentos ilegais e uma data para o julgamento deve ser fixada em breve. Fonte: Dow Jones Newswires.
Para ver esta notícia sem o delay assine o Broadcast+ e veja todos os conteúdos em tempo real.

MAIS NOTÍCIAS

Copyright © 2018 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso
Inscreva-se!
Receba no seu email newsletters e informações sobre nossos produtos