Política
10/10/2018 14:41

Página de Roger Waters no FB vira campo de batalha entre defensores e críticos de Bolsonaro


São Paulo, 10/10/2018 - Milhares de brasileiros estão entrando na página de Facebook do ex-integrante da banda Pink Floyd, Roger Waters, para criticar as mensagens que o músico colocou em seu show, ontem, em São Paulo, contra o candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro. Boa parte das mensagens exigiam que o ex-baixista e também vocalista do grupo britânico pedisse desculpas a Bolsonaro pelas mensagens utilizadas no show, no Estádio Allianz Parque, associando o candidato do PSL a uma onda de políticos fascistas que estão chegando ao poder em todo o mundo. Eleitores contrários a Bolsonaro perceberam a invasão de eleitores do candidato do PSL à página do músico e passaram a enviar mensagens de agradecimento a Waters.

Ao longo de toda a manhã e início da tarde desta quarta-feira a página do músico inglês se transformou em mais um campo de batalha política, emulando a extrema polarização que toma conta do País. Enquanto alguns eleitores de Bolsonaro tentavam "explicar" a Roger Waters o que se passava no País, outros partiram para o ataque, acusando o músico de ignorância e de ter realizado um "showmício" no Estádio do Palmeiras na noite de ontem.

"Você acha que o comunismo é o melhor para nós? Você vive em Cuba, você vive na Venezuela?, Você não sabe do que está falando, você perdeu milhares de fãs", escreveu um, ao que parece, agora ex-fã do músico inglês. Eleitores de Bolsonaro estão fazendo uma campanha para que as pessoas que compraram ingressos e pretendem ir ao show na noite desta quarta-feira saiam de casa com camisas amarelas para mostrar a Roger Waters o apoio que Bolsonaro tem no Brasil.

No show da noite de ontem Roger Waters projetou em um telão a hashtag #Elenão e incluiu Bolsonaro em uma lista de governantes associados ao fascismo, que incluía Donald Trump e Vladimir Putin. Ele foi vaiado por cerca de cinco minutos por boa parte da plateia. Durante alguns momentos, ele precisou parar o show. Após uma sessão de vaias, Waters afirmou: "Sou contra o ressurgimento do fascismo. E acredito nos direitos humanos. Prefiro estar num lugar em que o líder não acredita que a ditadura é uma coisa boa. Lembro das ditaduras da América do Sul e foi feio". Eleitores contrários a Jair Bolsonaro que estavam no show também aplaudiram o músico.

Roger Waters teve o pai morto por nazistas na Segunda Guerra Mundial e é autor da letra de The Wall, uma das canções mais famosas do Pink Floyd e que faz uma crítica enfática do autoritarismo e do fascismo. (Yan Boechat, especial para o Broadcast Político)
Para ver esta notícia sem o delay assine o Broadcast Político e veja todos os conteúdos em tempo real.

Copyright © 2019 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso
Inscreva-se!
Receba no seu email newsletters e informações sobre nossos produtos