PR Newswire Economia
14/02/2020 13:09

110ª Reunião do G100 Brasil: Diretor de Jornalismo da TV Cultura acredita no crescimento econômico neste ano, mas mostra preocupações quanto a 2021


110ª Reunião do G100 Brasil: Diretor de Jornalismo da TV Cultura acredita no crescimento econômico neste ano, mas mostra preocupações quanto a 2021

PR Newswire


SÃO PAULO, 14 de fevereiro de 2020 /PRNewswire/ -- As perspectivas para o futuro do Brasil foram foco da primeira Reunião do G100 Brasil de 2020, grupo que reúne reconhecidos empresários, presidentes e CEOs de organizações presentes no país, realizada nesta semana, em São Paulo. O anfitrião desta reunião foi o Welder Peçanha da GOCIL Segurança e Serviços, que é Membro Titular da Cadeira 43 do G100 Brasil. Para Leão Serva, diretor de Jornalismo da TV Cultura, o cenário é otimista no curto prazo, mas uma grande incógnita para 2021.


Para Leão Serva, diretor de Jornalismo da TV Cultura, o cenário é otimista no curto prazo, mas uma grande incógnita para 2021


Para o jornalista, a expectativa é de que haja um avanço no PIB neste ano, impulsionado por medidas como as parcerias público-privadas e privatizações. "Espero um crescimento econômico com algumas medidas de incentivo ao crescimento. Vai crescer por uma série de razões, embora o presidente Bolsonaro vá reivindicar para si, o que aconteceria com Dilma, Lula, Temer ou qualquer outro, mas ele contribuirá com algumas medidas vindas do Ministério da Economia, como a reforma administrativa. Isso aumenta o cenário de otimismo, mas o grande ponto de interrogação é 2021, quando podemos ter outro ano na estaca zero ou de recessão", disse Serva.


Entre os motivos que explicam essa perspectiva negativa para 2021, está a natureza das privatizações que, na opinião do jornalista, não são estruturais. Analisou que "A única privatização que pode gerar um ciclo virtuoso é a do saneamento, pois terá um impacto pequeno no PIB. Há poucas privatizações positivas".


Jornalista faz crítica ao posicionamento do presidente Bolsonaro.


Outro motivo que leva o jornalista Leão Serva a acreditar em um 2021 estagnado, é o próprio presidente, Jair Bolsonaro, que, em sua visão, prejudica o país por conta de algumas declarações e medidas para agradar a um grupo ideológico muito pequeno de apoiadores. "Acredito que será um ano marcado por declarações polêmicas e por medidas que não tem nenhuma contribuição ao Brasil, senão a um grupo ideológico de 14% da opinião pública que o aprova. Isso tudo faz mal ao país, inclusive economicamente, além da questão ambiental e indígena", disse o diretor de jornalismo da Cultura, que também criticou a postura em relação à Amazônia.


No entanto, Serva classificou como inteligente a forma como Bolsonaro usa a mídia, e o possível impacto que isso pode ter nas eleições de 2022. "Ele sabe lidar com a imprensa justamente provocando as empresas hegemônicas a só falarem dele. Ele domina a mídia com medidas e declarações polêmicas. Assim, todo dia os meios dão muito destaque a ele", apontou.


Por fim, Serva abordou outro assunto que é destaque nas discussões políticas em todo o país, as fake news, mas acredita que a tendência é que elas tenham um impacto cada vez menor nos próximos processos eleitorais. "O consumo de mídia é educativo. As mídias sociais são muito recentes, por isso temos muito menos educação sobre o uso delas, mas neste ano saberemos lidar melhor com elas [fake news] do que em 2018, e melhor ainda daqui a dois anos. As pessoas já olham notícias compartilhadas com mais desconfiança, ou seja, o sistema se auto educa", concluiu.


A reunião também contou com a apresentação de Marcos Calliari, CEO da IPSOS Brasil e Membro Titular da Cadeira 58 do G100 Brasil, que apresentou algumas tendências da sociedade brasileira nos próximos anos, com base na série de pesquisas, realizada pela sexta edição, do estudo anual IPSOS FLAIR 2020 ? A Aquarela virou Mosaico?. Calliari explicou o funcionamento do IPSOS FLAIR, apresentando uma retrospectiva de como foi no ano passado, com muitas ocorrências marcantes e o alto índice de confiança no primeiro semestre. "No segundo semestre, o Brasil apresentou sinais de vigor econômico, além de ajustes institucionais. Isso tudo refletiu no índice de confiança do consumidor. Quando começou o ano, índice chegou aos patamares de 2013 a 2014, superando um vale de pessimismo." Analisa Calliari.


Apesar de um janeiro forte, houve queda de dez pontos no meio do ano, mas de julho para dezembro ocorreu uma melhora gradativa, de acordo com o IPSOS Global Indicator. Em 2020, observa-se um começo de ano melhor do que muitos dos anos passados, mas ainda não é uma euforia que ocorreu em 2019. Calliari destaca dois índices importantes: o de expectativas para o futuro, que foi alto (66), e o que mostra um otimismo dos brasileiros com relação ao futuro, quando comparado com o presente, por outro lado, não houve recuperação no índice de confiança em emprego (43).


Marcos Calliari comentou ainda sobre uma série de tendências demográficas, como o envelhecimento da população, a queda da taxa de fecundidade para menos de 02 filhos por casal (em média), o aumento nos lares com apenas um habitante (15%), e a diminuição do número médio de habitantes por lar, além da queda no número de casamentos formais. Há ainda indícios de que questões como empatia e diversidade, ganham cada vez mais valor. No entanto, outros indicadores negativos, como aumento no índice de depressão e aversão à discussão política, com pessoas de pensamento ideológico distinto, também compõem o pacote de tendências expressivas para o perfil do brasileiro.


Sobre o G100 Brasil - Composto de 100 Membros Titulares (exclusivamente Empresários, Presidentes e CEOs), divididos nos setores de Indústria, Varejo, Serviços e Agronegócios, somando-se a 40 Membros (Economistas-Chefes, Cientistas-Políticos, Acadêmicos e Especialistas), efetivos e nomeados, congregando assim o alto intelecto necessário para o desenvolvimento destes trabalhos. Tem por objetivo, através de reuniões fechadas e restritas aos Membros, o debate e o aprofundamento de temas atuais e de alto impacto, auxiliando na assertividade das estratégias planejadas e nas decisões corporativas, considerando o benchmarking e cooperação entre seus integrantes.


Produção - Rodrigo Dias Gomes (11) 5505-1935
(Registro autorizado e monitorado pelo G100 Brasil)


Foto: https://mma.prnewswire.com/media/1090818/G100_Brasil.jpg?p-original


FONTE G100 Brasil

Copyright © 2020 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso
Inscreva-se!
Receba no seu email newsletters e informações sobre nossos produtos