Releases
28/09/2018 16:52

Disrupção gera oportunidades de investimento no turismo


São Paulo--(DINO - 28 set, 2018) - A disrupção afeta todos os setores. No caso do turismo, sofrem tanto o segmento hoteleiro quanto as imobiliárias e corretores de imóveis dedicadas a aluguel por temporada. Segundo Ricardo Molina, CEO do grupo Casa na Disney - especializado na venda e locação de casas em Orlando -, o fenômeno da economia compartilhada se faz cada vez mais presente no segmento. "A partir do uso de aplicativos, proprietários de imóveis negociarem diretamente com os inquilinos. Dessa forma, com taxas menores de vacância, aumentam a rentabilidade e estimulam a gestão ativa do patrimônio", afirma. Por conta da tecnologia, diz o empresário, na locação de imóveis, a tendência é deixar de lado corretoras e administradoras e fazer as ofertas por contra própria. "O movimento faz com que meios alternativos, como apps voltados à hospedagem, cresçam significativamente", diz.Molina aponta como maior exemplo o segmento de aplicativos para locação de quartos em residência privadas. "Uma dessas empresas, em pouco tempo no mercado, tornou-se a maior rede de hospedagem do mundo, tanto em número de quartos e imóveis ofertados quanto em valor de mercado", afirma."Ferramentas do gênero se proliferam e facilitam a nova postura de quem possui imóveis e busca destiná-los à locação. A rentabilidade média de casas para alugar por temporada cresce significativamente sem a intermediação de especialistas", diz. Segundo ele, o uso da tecnologia proporciona que um imóvel de temporada em Orlando, um dos mercados mais aquecidos nos Estados Unidos, renda cerca de 9% ao ano em dólares, percentual bem superior ao da taxa básica de juros brasileira (6,75%). "Sem o auxílio deste tipo de app, nem grandes imóveis comerciais em regiões privilegiadas da Flórida proporcionam ganhos semelhantes".Molina explica que os aplicativos facilitam a gestão própria, permitindo, por exemplo, que o proprietário feche a locação de seu imóvel mesmo estando em outro país. Porém, esse tipo de administração exige uma mudança de postura. "Valores e prazos de pagamentos, entre outros, passam a ser mais flexíveis, o que, além de agradar aos inquilinos, reduz os períodos de vacância dos imóveis, elevando sua rentabilidade", afirma.

Copyright © 2020 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso
Inscreva-se!
Receba no seu email newsletters e informações sobre nossos produtos