Releases
16/09/2020 15:42

Pesquisa mostra que, em 2020, oitenta e cinco por cento das empresas da América Latina já implementaram aplicações em duas ou mais nuvens


São Paulo, SP--(DINO - 16 set, 2020) -
Os resultados da pesquisa sobre a maturidade da América Latina em relação ao uso de aplicações de missão crítica evidenciam os avanços conquistados em relação a esse tema. O Relatório Anual do Estado dos Serviços das Aplicações LATAM foi feito no primeiro semestre de 2020 a partir de entrevistas com 198 líderes de segurança e TI do Brasil, México, Argentina, Colômbia e Chile.


O levantamento realizado pela F5 Networks mostra que as aplicações desempenham um papel fundamental para todas as empresas que avançam em direção à economia digital. Sua missão é ajudar as organizações a agilizar, aumentar a eficiência e entregar a melhor UX (user experiencie) a clientes e colaboradores digitais. As aplicações que permitem o desenvolvimento de negócios não se limitam estritamente àquelas que suportam as vendas – estas representam apenas 45% do portfólio de aplicações de uma organização. Há, também, aplicações de uso interno, voltados à melhoria da produtividade, processos departamentais etc.  Essas aplicações internas são essenciais para a digitalização dos processos de negócios da organização.


À medida que as atividades de negócios digitais amadurecem, as empresas usuárias procuram combinar serviços digitais de setores ou segmentos anteriormente desconectados.


Esse movimento insere-se na tendência da transformação digital e acaba gerando novos ecossistemas digitais essenciais para suportar o crescimento dos negócios. Os líderes de segurança e TI da América Latina entrevistados para a pesquisa da F5 apontam que o uso da nuvem, automação, orquestração e análise de ameaças em tempo real serão as principais tendências estratégicas para o período os próximos cinco anos.


Principais conclusões do levantamento feito pela F5:

  • 87% das organizações estão em processo de transformação digital.

Nove em cada 10 organizações na América Latina estão trilhando jornadas de transformação digital.


“Todo negócio hoje é baseado em aplicações” não é apenas uma frase de efeito de marketing. Para 60% das organizações na América Latina, as aplicações são essenciais para os negócios e, sem eles, os processos seriam interrompidos. 39% dos entrevistados afirmam que as aplicações apoiam seus negócios, sendo uma vantagem competitiva essencial. Apenas um em cada 100 entrevistados relata que não precisa de aplicações para funcionar.

  • 85% das organizações operam em múltiplas nuvens, mas acham difícil aplicar políticas consistentes em todos os ambientes.

As organizações na América Latina estão usando a nuvem pública para participar dos ecossistemas do setor da economia onde atuam. Sua meta é tirar proveito das arquiteturas nativas da nuvem e entregar aplicações na velocidade dos negócios.


Apesar da natureza estratégica da nuvem, as organizações têm menos confiança na capacidade da nuvem pública resistir a um ataque à camada de aplicações, em comparação com aplicações on-premises, rodando em um data center local. Questionados sobre como decidem qual nuvem é a melhor para suas aplicações, a resposta número um na América Latina coincidiu com as dos entrevistados globais: a decisão é tomada caso a caso, por aplicações.


Essa abordagem requer o uso de vários fornecedores de nuvem. 85% dos entrevistados relataram que implantaram aplicações em duas ou mais plataformas de nuvem.

  • 77% das organizações estão automatizando as operações de rede para aumentar a eficiência.

Não é novidade que, visto que os principais motores da transformação digital são a otimização de TI e dos processos de negócios, a maioria das organizações na América Latina estão automatizando suas operações de rede.


As ferramentas favoritas para a automação de rede continuam sendo soluções proprietárias da VMware (43%) e Cisco (37%), seguidas por ferramentas de código aberto (31%) e CI / CD (27%).


Em relação ao uso de ferramentas de código aberto, as organizações na América Latina estão consideravelmente à frente de suas contrapartes globais (23%). O favorito de CI / CD, Jenkins, conquistou impressionantes 20% da base de usuários de automação de rede na América Latina. O uso do repositório como parte do kit de ferramentas de automação permanece baixo, o que não é surpreendente, pois essa tecnologia tende a ser considerada uma ferramenta de desenvolvimento.

  • 81% dos líderes relatam que os serviços de segurança são sua prioridade.

Transformação digital, plataformas em nuvem e arquiteturas modernas estão impulsionando a adoção de novos serviços de aplicações. Para 81% dos entrevistados pela F5, a segurança continua a ser sua principal prioridade. Isso vale tanto para aplicações rodando on-premises como na nuvem pública. Essas aplicações exigem serviços modernos para atender aos requisitos de escala, segurança e disponibilidade.


Pelo terceiro ano consecutivo, 66% dos entrevistados na América Latina concordaram que a pior coisa que eles poderiam fazer é implantar uma aplicação sem serviços de segurança.

  • 83% das organizações ainda atribuem a responsabilidade primária pelos serviços de aplicações aos times de TI, com mais da metade mudando para equipes de DevOps.

Os times de operações e infraestrutura de TI continuam a assumir a responsabilidade pela seleção e implementação de serviços de aplicações. No entanto, conforme as organizações expandem seus portfólios de aplicações e passam a adotar contêineres nativos da nuvem, os times DevOps estão se tornando mais responsáveis ??pelos serviços de aplicações.


Com todo o burburinho em torno do DevOps e os movimentos subsequentes de “Ops”, é irônico que o único grupo deixado de fora seja o de operações de TI.


Isso é fascinante, visto que nossa pesquisa confirmou o que sempre suspeitamos: as equipes de operações de TI continuam a ser as principais responsáveis ??pela implementação de serviços de aplicações, seja on-premises, seja na nuvem pública.


Os pontos investigados pela F5 deixaram duas questões claras: para as organizações, oferecer as melhores e mais seguras UXs as ajudará a atrair e reter clientes. Para que isso aconteça, a agilidade é fundamental para desenvolver ou adaptar aplicações que respondam rapidamente às novas oportunidades de negócios.

Copyright © 2020 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso
Inscreva-se!
Receba no seu email newsletters e informações sobre nossos produtos