Releases
15/02/2019 16:41

Certificado digital na nuvem promete dar mais segurança e agilidade, diz especialista na ACSP


São Paulo, 15 fev 2019 (ACSP). Ambiente em nuvem é tendência para diversos serviços e produtos. Um exemplo é o certificado digital, que consiste em uma identidade eletrônica para pessoas e empresas, permitindo a realização de trâmites burocráticos como emissão de nota fiscal, assinatura de documentos e transferência bancária.


Um advogado que tem certificado digital não precisa ir ao fórum para protocolar uma petição. Pequenas e médias empresas que querem vender para o poder público ou participar de processos licitatórios precisam ter certificado digital ? que garante validade jurídica a todo o processo de tramitação e assinatura de documentos, reduzindo a possibilidade de fraudes.


Com o certificado digital na nuvem ? já lançado no Brasil ? todos os dados de identificação e autenticação dos usuários ficam guardados em servidores na internet, eliminando a necessidade de mídias físicas criptográficas como cartões e tokens. Para atualizar os empreendedores sobre essa nova realidade, a Associação Comercial de São Paulo (ACSP) promoveu, dia 14/2, palestra em sua sede (no centro da capital paulista). A exposição foi feita pelo diretor da Certisign, Leonardo Gonçalves. Em janeiro deste ano, a emissora brasileira de certificados digitais lançou seu certificado na nuvem. “O Remote ID é uma nova forma de armazenagem e resolve vários problemas do dia a dia”, frisou Gonçalves.


“O uso de certificados digitais vai aumentar muito ainda. O governo federal tem o projeto do governo eletrônico, e tudo que for possível informatizar nos atendimentos ao público e às empresas será automatizado. E grande parte disso, obviamente, vai exigir certificado digital. A duplicata eletrônica, quando for regulamentada, permitirá emissão e assinatura por meio de certificados digitais”, destacou Marcel Solimeo, economista da ACSP. “O certificado digital na nuvem traz muitas novidades e oportunidades incríveis, e nós da ACSP estamos sempre atentos a essas mudanças”, enfatizou Roberto Mateus Ordine, vice-presidente da ACSP.


Meio físico


Até o ano passado, quem tinha certificado digital era obrigado a utilizar um meio físico, sem o qual seria impossível realizar as transações eletrônicas. Se o certificado estivesse armazenado num computador, por exemplo, ele só poderia ser usado nesse mesmo computador. Mesmo que estivesse atrelado a uma mídia móvel (token ou cartão criptográfico), o certificado digital só poderia ser operado se o dono do cartão estivesse com ele no momento. Se por alguma razão o tivesse deixado em casa, teria de voltar para pegá-lo. “Com o Remote ID, ganha-se muito em mobilidade. O certificado pode ser usado de qualquer lugar, em qualquer dispositivo, a qualquer momento. Ele pode, inclusive, ser acessado simultaneamente em locais diferentes”, explicou Gonçalves.


Além da mobilidade, o modelo de certificação na nuvem garante rastreabilidade, pois deixa registrado todos os acessos feitos a um certificado. E elimina problemas de compatibilidade com sistemas operacionais e navegadores, visto que, na nuvem, o certificado pode ser acessado de qualquer máquina ou dispositivo.


Tendência


A Certisign já comercializa o certificado digital na nuvem há três semanas; vendeu aproximadamente 1.200 unidades nesse período. “A tendência é de que, em dois ou três anos, todos os certificados migrem para a nuvem”, comentou Gonçalves.


(Renato Santana de Jesus, Assessoria de Imprensa ACSP,  rjesus@acsp.com.br, (11) 3180-3220)


 


 

Copyright © 2020 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso
Inscreva-se!
Receba no seu email newsletters e informações sobre nossos produtos