Economia & Mercados
21/01/2022 08:07

Mercado Livre compra participação no Mercado Bitcoin e Paxos para avançar em cripto


Por Luana Pavani

São Paulo, 21/01/2022 - O Mercado Livre comprou uma participação no Grupo 2TM, que controla o Mercado Bitcoin, e também na Paxos, plataforma de infraestrutura de blockchain. O valor não foi informado. Em comunicado, a empresa de comércio eletrônico, que também detém a fintech Mercado Pago, afirma que os aportes reforçam o compromisso com o desenvolvimento e o uso de ativos digitais e tecnologia blockchain, bem como oferecer mais produtos e serviços para empreendedores e consumidores latino-americanos.

A Paxos já é parceira do Mercado Livre. Desde dezembro, o Mercado Pago oferece aos usuários brasileiros acesso à compra, custódia e venda de criptomoedas (Bitcoin, Ethereum e stablecoin USDP) por meio de suas contas digitais, com transações a partir de R$ 1.

"As criptomoedas e a tecnologia blockchain representam um fenômeno único, global e coletivo que quebra barreiras e cria um ambiente aberto e nivelado para que todos os consumidores alcancem o empoderamento econômico, o que está muito alinhado com nossa missão como empresa", diz por meio de nota André Chaves, vice-presidente sênior de Estratégia e Desenvolvimento Corporativo do Mercado Livre para América Latina.

"Estamos empolgados pelo Mercado Livre juntar-se à 2TM e MercadoBitcoin.com.br como acionista", afirma Daniel Cunha, vice-presidente executivo de Desenvolvimento Corporativo do Grupo 2TM. Por sua vez, Walter Hessert, chefe de Estratégia da Paxos, diz que "o Mercado Livre foi a primeira grande plataforma a dar acesso a criptomoedas e stablecoin aos seus usuários no Brasil. Esse investimento na Paxos é um sinal forte da dedicação da companhia para liderar a adoção de ativos digitais, em larga escala, por toda América Latina."

Contato: Luana.pavani@Estadao.com
Para ver esta notícia sem o delay assine o Broadcast+ e veja todos os conteúdos em tempo real.

Copyright © 2022 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso
Siga nossas redes: