Economia & Mercados
12/01/2018 19:44

Dólar tem menor patamar em quase 3 meses, apesar de corte de nota de crédito do Brasil


São Paulo, 12/01/2018 - Após rondar a estabilidade, o dólar firmou-se no campo negativo na reta final do pregão, acompanhando a aceleração das perdas da moeda americana no exterior. A divisa chegou a ficar abaixo dos R$ 3,20, mas acabou fechando neste patamar, o mais baixo em quase três meses, apesar da decisão da S&P Global Ratings de rebaixar o rating soberano do Brasil. Na avaliação de profissionais do mercado, além deste rebaixamento já ser esperado, o corte da nota pode servir de pressão para que o Congresso Nacional aprove a reforma da Previdência ainda neste ano.

O dólar à vista fechou em baixa de 0,27%, a R$ 3,2068, no menor valor desde 20 de outubro de 2017 (R$ 3,1898). O giro foi de US$ 1,283 bilhão. Na mínima, chegou a R$ 3,1998 (-0,49%) e na máxima, R$ 3,2295 (+0,43%). Na semana, acumulou perda de 0,83%.

No exterior, o dólar, que já vinha fraco, ampliou as perdas e o petróleo passou a subir mais com a decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em relação ao acordo nuclear com o Irã. Apesar de se manter no tratado nuclear das potências mundiais com a república islâmica, a administração Trump impôs sanções contra autoridades e empresas ligadas a "violações de direitos humanos" no país, e também informou que vai trabalhar com autoridades europeias para modificar termos do acordo.

Quanto à decisão da S&P de rebaixar o rating brasileiro, a leitura é de que isso não afeta o interesse dos investidores pelo País. "O mercado está vendo melhora dos dados econômicos do País, as commodities passam por um bom momento, então vai atrás daquilo que é palpável", avaliou Reginaldo Galhardo, gerente de câmbio da Treviso Corretora.

Para José Raymundo Faria Júnior, diretor da Wagner Investimentos, além do rebaixamento já ter sido precificado pelos investidores, outra interpretação é de que a medida pode servir de pressão para que o Congresso aprove a reforma da Previdência neste ano. "Além disso, há as captações externas de empresas, e o humor externo é favorável ao real", acrescentou. (Eulina Oliveira - eulina.oliveira@estadao.com)
Para ver esta notícia sem o delay assine o Broadcast+ e veja todos os conteúdos em tempo real.

Copyright © 2018 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso
Inscreva-se!
Receba no seu email newsletters e informações sobre nossos produtos