Política
04/12/2017 11:28

STF/Gilmar Mendes: Quem decide habeas corpus tem que nadar contra a corrente


BRASÍLIA - Em seminário em Brasília sobre "ativismo judiciário", o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou que juízes se deixam influenciar pela mídia ao decidir e deixam a lei de lado. Responsável por decisões que retiraram da prisão preventiva uma série investigados nos desdobramentos da Lava Jato no Rio de Janeiro, Mendes afirmou que "quem decide habeas corpus tem que nadar contra a corrente em determinados momentos".

"Quem decide reconhecendo direitos, é óbvio que está decidindo a mais das vezes contra a opinião pública. É evidente. Os direitos fundamentais em geral, a sua segurança, a sua garantia, se faz às vezes de forma mal compreendida", disse Gilmar Mendes.

O ministro afirmou que, ao fazer-se a defesa de direitos de forma conservadora, está-se "protegendo aquele indivíduo que nos apedreja". Segundo ele, "quando se cria Estado autoritário, com excesso de prisão preventiva, se esquece que a próxima vez será daquela pessoa".

"Temos que atender a imprensa. O que ela espera de nós. Isso também é uma forma de ativismo. Eu saio da lei e deixo de adotar esses critérios. Por quê? Porque eu tenho que atender essa ânsia. Isso passa a ser um grave problema também. Eu passo a ver para fora, como os outros vão me avaliar. O critério da lei eu já deixei de lado."

"Nadar contra a corrente não é apenas uma sina nossa, é nosso dever. Se nós estivermos sendo muito aplaudidos porque estamos prendendo muito ou negamos habeas corpus, desconfiemos. Nós não estamos fazendo bem o nosso job (trabalho)", disse.
Opinião. Gilmar Mendes afirmou, também, que "quem muda de opinião de acordo com o interlocutor obviamente não será um bom juiz".

Em outubro, um colega de Gilmar Mendes no Supremo, o ministro Luís Roberto Barroso, afirmou a ele que "vossa excelência vai mudando a jurisprudência de acordo com o réu".

Sobre o tema do "ativismo judiciário", discussão central do evento, Gilmar Mendes afirmou que "há um erro de conceito quando se imagina que o ativismo é sempre uma mensagem de vanguarda". "Até porque esse conceito é relacional. Ativismo em relação a que, a que tipo de política? E isso precisa ser colocado em análise. Por outro lado não podemos esquecer a que o nosso lastro, nosso ethos, está na aplicação da lei de forma independente, de forma imparcial", disse.
(Breno Pires)
Para ver esta notícia sem o delay assine o Broadcast Político e veja todos os conteúdos em tempo real.

Copyright © 2017 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso
Inscreva-se!
Receba no seu email newsletters e informações sobre nossos produtos