PR Newswire Internacional
10/10/2019 13:07

Uso de aplicativos de mensagens no trabalho deve respeitar limites da relação entre empregado e empregador


Uso de aplicativos de mensagens no trabalho deve respeitar limites da relação entre empregado e empregador

Aplicativos são sinal dos tempos, mas não podem substituir comunicados oficiais na empresa, exemplifica a advogada Valquiria Furlani, do Sindilojas-SP

PR Newswire


SÃO PAULO, 10 de outubro de 2019 /PRNewswire/ -- A tecnologia estimulou a disseminação dos smartphones e, consequentemente, dos aplicativos de mensagens instantâneas. No Brasil, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 95% dos que possuem celular já os utilizam. O mais famoso deles, o Whatsapp, informou, já em 2016, ter batido a marca de 1 bilhão de usuários, dos quais cerca de 120 milhões só no Brasil.


Dessa forma, ao fazer parte da rotina das pessoas, automaticamente esse tipo de aplicativo tornou-se realidade também nas empresas. Entretanto, algumas regras devem ser observadas para que o uso da ferramenta não prejudique a relação entre empregado e empregador.


"A jornada de trabalho do empregado deve ser respeitada para que não acarrete risco jurídico", exemplifica Valquiria Furlani, gerente jurídica do Sindicato dos Lojistas do Comércio de São Paulo (Sindilojas-SP), que hoje representa mais de 30 mil empresas do comércio na cidade. Além disso, a advogada explica que, "embora não haja legislação específica sobre o assunto, algumas mensagens enviadas por empregadores aos empregados, fora do horário de expediente, já foram utilizadas como provas para requerimento de horas extras".


A especialista reforça que o uso de aplicativos de mensagens é prático e rápido e pode, sim, estar integrada a outros meios de comunicação da empresa, como e-mail, por exemplo, desde que observadas as orientações acima. No entanto, eles não substituem os comunicados oficiais e não devem ser usados para abordar temas delicados. "Punições, rescisões ou outros assuntos desse rol sempre devem ser tratados pessoalmente", alerta.


Assim como outras ferramentas de comunicação, o uso do Whatsapp deve estar inserido na Política Interna da empresa, atentando-se à confidencialidade das informações trocadas e ao código de conduta do estabelecimento.


Mesmo que não existam políticas formais nas organizações, muitas vezes o aplicativo de mensagens é reconhecido como canal de comunicação oficial e a questão dos limites de privacidade exige cuidado, uma vez que, na maioria dos casos, a ferramenta está instalada nos aparelhos pessoais dos funcionários."


A empresa não pode exigir que o empregado forneça o celular ou mostre suas mensagens, mas pode impor regras sobre o comportamento esperado no ambiente de trabalho", conclui a advogada do Sindilojas-SP.


O Sindilojas-SP orienta os lojistas associados com dúvidas sobre o assunto pelo telefone (11) 2858 8400.


Conheça as vantagens de ser um associados Sindilojas-SP: http://sindilojas-sp.org.br/seja-associado/


FONTE Sindilojas-SP

Copyright © 2020 - Todos os direitos reservados para o Grupo Estado.

As notícias e cotações deste site possuem delay de 15 minutos.
Termos de uso
Inscreva-se!
Receba no seu email newsletters e informações sobre nossos produtos